Livrai-me Senhor das portas do abismo

Música: Manuel Luis
Letra: Is 38

Livrai-me, Senhor, das portas do abismo.

1. Eu disse: “Em meio da vida vou descer às portas da morte,
privado do resto dos meus anos”.
Eu disse: “Não mais verei o Senhor na terra dos vivos,
não verei mais ninguém entre os habitantes do mundo”.

2. Para longe de mim foi arrancada a minha morada,
como tenda de pastores.
Como tecelão, eu tecia a minha vida,
mas cortaram-me a trama.

3. Dia e noite sou consumido
e grito ao amanhecer.
Como um leão que dilacera os meus ossos,
assim sou consumido dia e noite.

4. Grito como a andorinha
e gemo como a pomba.
Cansam-se meus olhos de olhar para o alto;
socorrei-me, Senhor.

5. Por vós, Senhor, viverá o meu espírito,
e o meu sofrimento se converte em paz.
Preservastes a minha alma da corrupção da morte,
perdoastes todos os meus pecados.

6. Nem a morada dos mortos Vos louvará,
nem a morte Vos dará glória.
Para quem desce ao túmulo,
acaba a esperança na vossa fidelidade.

7. Só os vivos podem louvar-Vos,
como eu Vos louvo hoje.
O pai dará a conhecer aos seus filhos
a vossa fidelidade.

8. Senhor, vinde em meu auxílio,
e cantaremos nossos salmos,
todos os dias da nossa vida,
no templo do Senhor.

Este artigo ainda não tem 
áudio

vídeo

Para colaborar, envie e-mail para [email protected]

Pauta

Visualizar / Descarregar

Tags

Menu Rápido

Pautas por email

Agora, este serviço é gratuito. Todas as semanas, na sua caixa de email, as sugestões para as Eucaristias dominicais. Saiba mais pormenores, aqui!

Categorias

Categorias

Colaborar

[email protected]
O Laudate está permanentemente a aumentar o seu acervo e a completar os títulos de que dispõe. Este trabalho também é resultado da colaboração dos seus utilizadores.